Informação de Qualidade para toda a população!

sexta-feira, 26 de março de 2021

Virologista da Fiocruz alerta para risco iminente de novos supervírus



Nessa quinta-feira (23), o virologista e chefe substituto do Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo da Fiocruz, Fernando do Couto Motta, debateu sobre o risco iminente da chegada de novos supervírus durante o Foro Inteligência. 

Segundo o especialista, os vírus deverão trazer cada vez mais prejuízos, devido à modificação do ambiente - seja por meio do aquecimento global, da derrubada de florestas, da abertura de estradas ou da domesticação de animais silvestres. "Essas situações nos colocam em contato com novos reservatórios de parasitas e forçam os vírus a se adaptar, com a busca de novos hospedeiros como o ser humano", explica Couto Motta.

O pesquisador acrescenta que, "para completar a tragédia", a população mundial se tornou extremamente numerosa e reunida em centros urbanos, o que permite uma grande concentração de hospedeiros. "Nesses casos, a evolução tende a favorecer vírus de ação rápida e devastadora. A realidade em que vivemos automaticamente seleciona agentes mais virulentos", diz o virologista. Ele explica ainda que eliminar vírus é uma tarefa extremamente difícil, porque até hoje não se sabe se eles de fato têm vida.

Couto Motta chama atenção para o perigo que a facilidade com que os vírus mudam e trocam genes traz para a vida humana. Essa característica permite que eles evoluam rápido e se multipliquem em diferentes grupos. "Ninguém sabe dizer quantas doenças eles causam. O que se conhece são algumas maneiras com que eles causam tanto estrago", reforça o pesquisador.

Ao contrário de bactérias, que possuem uma batelada de pequenos órgãos para produzir energia, Couto Motta descreve os vírus como nada mais do que "um conjunto de DNA e enzimas embrulhadas para presente em uma camada de proteína". Um presente de grego, diz ele. "Para se replicar, ele precisa invadir outros seres e se apropriar dos instrumentos de que eles dispõem. Os vírus têm algumas características de seres vivos, como gerar descendentes, e não têm outras, como uma existência autônoma", afirma o virologista.

De qualquer forma, os vírus reúnem uma enorme complexidade no minúsculo espaço que ocupam. Milhares de vezes menores que uma bactéria, só podem ser vistos com potentes microscópios eletrônicos. Não se sabe como surgiram. É provável que sejam bactérias que perderam várias organelas e a capacidade de viver por conta própria ou pedaços de células que se desprenderam. O fato é que são antigos a ponto de terem interferido na evolução de quase todas as espécies. Uma prova disso veio com o mapeamento do genoma humano, quando foram encontradas sequencias genéticas de vírus escondidas no nosso DNA.

Como a SARS e o Covid-19 provaram, atualmente é muito fácil para um parasita pegar um avião e aparecer em outro lugar do mundo. "Portanto, não fique surpreso se outras grandes epidemias se alastrarem pelo mundo mais vezes", observa o virologista.

A saída para lidar com o problema está nas vacinas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário